Câncer de Ovário: o que TODA mulher deve saber - IMEB

Câncer de Ovário: o que TODA mulher deve saber

Resultado de imagem para cancer de ovario

O que é Câncer de ovário?

O câncer de ovário é um tipo de câncer que começa no sistema reprodutor feminino. As mulheres têm dois ovários, um de cada lado do útero, com tamanho de uma amêndoa. Esses ovários são responsáveis por produzir óvulos, bem como os hormônios estrogênio e progesterona.

O tumor costuma passar despercebido até que tenha se espalhado dentro da pelve e abdômen. Nesta última etapa, o câncer de ovário é mais difícil de tratar e é frequentemente fatal. A fase inicial é mais suscetível de ser tratada com sucesso. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), cerca de 3/4 dos cânceres desse órgão apresentam-se em estágio avançado no momento do diagnóstico.

Pouco frequente, este é o tumor ginecológico mais difícil de ser diagnosticado e o de menor chance de cura. De acordo com o INCA, são registrados aproximadamente cinco mil novos casos por ano.

Tipos

O tipo de célula em que o câncer começa determina o tipo de câncer de ovário. Confira:

  • Tumores epiteliais, que começam na fina camada de tecido que cobre o lado de fora dos ovários. Cerca de 90% dos casos são tumores epiteliais
  • Tumores do estroma, que começam no tecido ovariano que contém células produtoras de hormônios. Estes tumores são geralmente diagnosticados em um estágio mais inicial do que outros tumores ovarianos. Cerca de 7% dos tumores ovarianos são do tipo estromal
  • Tumores de células germinativas, que começam nas células produtoras de óvulos. Esse tipo é raro, e tende a ocorrer em mulheres mais jovens.

Fatores de risco

Os principais fatores de risco para o câncer de ovário incluem:

  • Histórico familiar da doença: Ter uma mãe, irmã ou filha que teve câncer de ovário irá aumentar o seu risco. E se você tem dois parentes próximos com câncer, você vai ter um risco mais elevado
  • Herança genética: o câncer pode ser causado por uma alteração genética que é passada de mãe para filha. Essas alterações ocorrem principalmente no genes BRCA 1 e BRCA 2, usados como marcadores em exames genéticos.

Mas a maioria das mulheres não têm esses fatores de risco. O câncer de ovário aparece mais frequentemente na pós-menopausa. Você pode ter maior propensão a ter esse tipo de câncer se:

  • Você nunca teve um bebê
  • Você começou seus ciclos menstruais antes dos 12 anos e passou pela menopausa após os 50 anos
  • Você é incapaz de engravidar
  • Você fez terapia hormonal para tratar os sintomas da menopausa
  • Ter feito tratamento para fertilidade
  • Fumar
  • Uso de um dispositivo intrauterino
  • Síndrome dos ovários policísticos.

Algumas coisas que diminuem o risco incluem:

  • Ingerir pílulas anticoncepcionais (contraceptivos orais). Mas isso pode aumentar ligeiramente o risco de câncer de mama e outros problemas de saúde
  • Amamentar bebês
  • Ter feito uma laqueadura ou uma histerectomia.

Se você tem um forte histórico familiar de câncer de ovário ou de mama, você pode querer falar com o seu médico ou um geneticista para fazer um exame de sangue que procura mutações nos genes BRCA1 e BRCA2.

Sintomas de Câncer de ovário 

Raramente a doença causará sintomas em seu estágio inicial. No entanto, em alguns casos, eles podem aparecer. Veja:

  • Inchaço frequente
  • Dor em sua barriga ou pélvis
  • Dificuldade para comer ou rápida sensação de plenitude
  • Distúrbios urinários, tais como a necessidade urgente de urinar ou urinar mais frequentemente do que o habitual.

Se você tiver um ou mais destes sintomas, e isso ocorre quase diariamente por mais de duas ou três semanas, marque uma consulta médica.

Outros sintomas que afetam algumas mulheres com câncer de ovário incluem:

  • Fadiga
  • Indigestão
  • Dor nas costas
  • Dor durante o sexo
  • Prisão de ventre
  • Alterações do ciclo menstrual.

Mas esses sintomas também não indicam necessariamente a presença do tumor

Prevenção

Não há nenhuma maneira de prevenir o câncer de ovário. Mas alguns fatores estão associados com menor risco:

  • Uso de contraceptivos orais
  • Gravidez anterior
  • Amamentação.

Além disso, se você tem histórico família de câncer de ovário, vale a pena submeter-se ao exame genético de BRCA 1 e 2. Nesse exame genético, será verificado se você tem a mutação que aumenta as chances de ter esse tipo de câncer. Em caso positivo, o oncologista discutirá com o paciente medidas preventivas para que esse câncer e o câncer de mama não se desenvolvam. Entre essas medidas encontramos:

  • Combate ou prevenção à obesidade, já que o processo inflamatório da doença está ligado a diversos tipos de câncer
  • Atividades físicas, que também reduzem o risco de diversos tipos de câncer
  • Evitar alimentos com corantes, espessantes, conversantes e outros processos de conservação, além de reduzir os defumados
  • Deixar de fumar (se a pessoa tiver esse hábito)
  • Redução da ingestão de álcool.

Além disso, existe a opção da retirada preventiva dos ovários, uma cirurgia chamada de ooforectomia preventiva, contudo ela é muito controversa no meio médico, já que a possibilidade de desenvolvimento do câncer em que apresenta o BRCA1 ou 2 positivo não é de 100%. Outro ponto é que essa cirurgia, por afetar diretamente a fertilidade da mulher, precisa ser muito bem pensada e conversada com o médico.

Por: Dr. Renato Barra / Categoria: Combate ao câncer

11 de outubro de 2016

Conteúdos Relacionados

DICAS DE SAÚDE

Receba Dicas de Saúde Atualizadas