Cicatrizes e estrias: conheça as novidades no tratamento - IMEB

Cicatrizes e estrias: conheça as novidades no tratamento

Cicatriz é pra sempre, mas não precisa ser tão visível assim. Para queloide tem cirurgia e betaterapia, que age diminuindo o depósito de colágeno e dessa maneira, deixa a pele mais retificada.

Tem também como diminuir as marcas de espinha, as estrias e até arrumar aquela orelha que ficou rasgada por causa do brinco pesado ou alargador.

E cicatriz de queimadura? Uma técnica com ventosa está sendo usada em algumas vítimas do incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

Acupuntura Técnica por Ventosa terapia

Ventosas: 
Onde as agulhas não funcionam, deve aplicar moxabustao, e caso ainda não se obtenha bons resultados, coloque ventosas!
O que é:
É um tipo de terapia não invasiva, que tem como procedimento básico, a colocação de campânulas ou copos redondos de vidro sobre a pele, gerando a sucção do local, como ventosas.
Como funciona:
São copos, ou campânulas chamados de ventosas, são aquecidos internamente com fogo, que cria um vácuo pela queima do ar em seu interior. São imediatamente aplicados em áreas específicas do corpo, principalmente nas costas, ou em pontos dos meridianos, gerando uma força de sucção. Seu principal efeito terapêutico é controlar a corrente sanguínea e tem como base a troca gasosa, visando limpar o sangue pela pele, já que a ventosa tem a mesma fisiologia da troca gasosa do pulmão e dos rins. Desse modo, eliminando os gases e toxinas estagnados no corpo pela pressão negativa produzida pelo vácuo, torna o sangue bioquimicamente equilibrado, com o pH das células homogeneamente estável. Segundo a MTC  (Medicina Tradicional Chinesa), as toxinas acumuladas pela sujeira da água, dos alimentos, ou emoções desequilibradas causam a estagnação do sangue coagulado, escuro,  sujo, nos músculos das costas ou nas articulações, causando as doenças, daí a necessidade de retirá-lo para que a pessoa possa se restabelecer.  É tida como o “Tratamento Negativo”, que consiste em trazer as células doentes do sangue, do interior do corpo para a superfície, através de fortes absorções. Este método recupera as células doentes.
Sua Origem e Historia:
Utilizada desde o antigo Egito, ela é também mencionada nos escritos de Hipócrates e praticada pelo povo Grego no século IV a.C. O antigo instrumento utilizado para fazer ventosa era a cabaça. Pelos índios americanos era utilizada a parte superior do chifre dos búfalos para provocar o vácuo por sucção oral na ponta do chifre, sendo em seguida tamponado. Os antigos curandeiros conseguiam com seus poderosos músculos faciais e a agilidade, extrair com a boca, por sucção e logo cuspindo, o veneno das cobras, aliviando a dor e as câimbras no abdômen nos infectados.  O uso de ventosa no Oriente foi desenvolvido com base na acupuntura. Ela se fundamenta na crença de que a resistência contra a doença pode ser alcançada, induzindo o corpo a se curar pela aplicação de ventosas em pontos dos 12 meridianos ou em nódulos de reação positiva.  O uso de ventosas no Ocidente antigo era um elemento terapêutico corriqueiro e de grande valor, pois na falta de outros elementos da ciência, a ventosaterapia era utilizada praticamente na cura de todas as doenças.
A Europa desenvolveu a ventosa como conhecemos hoje, empregando o vidro.
Microagulhamento: outro tratamento para cicatrizes e estrias

O que é microagulhamento
O microagulhamento é um tratamento em que são usadas diversas agulhas esterilizadas e de aço cirúrgico, que pode inclusive estar dispostas em um rolo (que tem, em média, 200 agulhas), para facilitar sua aplicação. Esse rolo é aplicado na pele, provocando pequenas punturas, que aumentaram a vasodilatação, estimularão a formação de colágeno e também aumentam a absorção de alguns medicamentos direto na pele, o chamado drug delivery.

Dessa forma, o microagulhamento pode ser usado para diversos problemas de pele, como envelhecimento, flacidez, cicatrizes de acne ou queimaduras, estrias emanchas na pele (como o melasma, por exemplo).

É importante que o equipamento possua registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Essa certificação garante a qualidade do produto (em relação ao aço utilizado, número de agulhas, comprimento e diâmetro das agulhas etc), a esterilização do mesmo e dessa forma evita-se contaminações e complicações.

Como é feito o microagulhamento
O ideal é que microagulhamento seja feito no consultório médico, pois requer uso de creme anestésico ou mesmo anestesia local, dependendo do comprimento de agulha utilizado, além de estar passível de complicações e riscos, que serão mais bem solucionados pelo médico. Primeiro é aplicado o creme anestésico, entre 30 e 50 minutos antes do procedimento em si. O microagulhamento consiste na aplicação de microagulhas na pele, normalmente feitas de aço cirúrgico ou titânio, que podem estar dispostas em um rolo. O comprimento das agulhas pode variar de 0,25 até 3 milímetros e ter diâmetro de até 0,8 milímetros. Estima-se que uma agulha de 3 mm, por exemplo, penetre 1,5 a 2 mm na pele. Quanto mais agulhas existirem por fileira no aparelho, menor é a penetração das mesmas. São realizados movimentos de vai e vem com o aparelho em toda área tratada. Em média são feitas de 10 a 15 passadas em um mesmo plano e pelo menos quatro cruzamentos na área de rolagem. Há produção de um sangramento que também pode variar de acordo com a espessura da agulha, mas o sangramento cessa após alguns minutos. O tipo de agulha e pressão utilizada varia de acordo com o que será tratados. Para problemas de pele que exigem maior remodelação da pele, como as cicatrizes de acne, são usadas agulhas de 2,5 mm. Se o intuito é só melhorar o viço da pele, então agulhas com entre 0,5 e 1 mm são suficientes. É importante que sejam usadas agulhas mais finas em regiões mais sensíveis. Por exemplo, em tratamentos no couro cabeludo, para tratar calvície, são necessárias agulhas mais delicadas. Já a aplicação nas bochechas, nariz e área dos olhos deve ter menor pressão, para não prejudicar os ossos e nem criar hematomas embaixo dos olhos.

Sessões
Em geral são feitas entre três e quatro sessões de microagulhamento, com intervalo de um mês entre elas, para recuperação da pele. Mas a quantidade de sessões e intervalo podem variar de acordo com a finalidade do tratamento e as características da agulha usada. Cada sessão dura, em média, de 30 minutos a uma hora.

Por: Dr. Renato Barra / Categoria: Destaque Notícias

15 de junho de 2016

Conteúdos Relacionados

DICAS DE SAÚDE

Receba Dicas de Saúde Atualizadas