Dose de radiação em TC é destaque de Congresso Chileno - IMEB

Dose de radiação em TC é destaque de Congresso Chileno

Dr Pablo Soffia é um velho amigo da radiologia brasileira. Atual presidente da Sociedade Chilena da especialidade (SOCHRADI), já esteve presente em diversas edições da JPR e foi coordenador da Sala América Latina no evento, em 2014 e 2015.
Atualmente, é chefe da seção de TC e RM abdominal e professor de Radiologia da Faculdade de Medicina Clínica Alemana – Universidade del Desarrollo.
O especialista lidera iniciativas pela redução de dose, tema de grande preocupação para ele e que terá um destaque especial no próximo Congresso Chileno, em outubro, conforme ele adianta nesta entrevista.

O sr. está para deixar a presidência da SOCHRADI. O sr. poderia fazer um breve balanço de sua gestão?
Dr. Pablo Soffia – Temos modernizado a Sociedade Chilena de Radiologia: atualizamos seu website, introduzimos mudanças na administração e redesenhamos a revista Chilena de Radiologia.
Também aumentamos o número de sócios de 300 para quase 500, e criamos a categoria de sócio-residente para incorporar jovens médicos à sociedade.

O tema da JPR foi redução de dose, e sabe-se que o sr. tem forte atuação nessa área. Poderia falar sobre seu trabalho nesse sentido?
Dr. Pablo Soffia – Na minha organização, temos desenvolvido um plano de qualidade em tomografia destinado a reduzir a dose de radiação. Nós também fizemos conferências no Chile, Argentina, Brasil e México para educar radiologistas e incentiva-los a mudar sua prática. Em breve, esperamos desenvolver publicações e atividades de ensino online com a SPR.

Há alguma política ou iniciativa de redução de dose no Chile? Como o sr. avalia a atuação da América Latina nesse tema?
Dr. Pablo Soffia – Na América Latina, há regras e normas contra as radiações dos trabalhadores expostos, tais como técnicos, médicos etc. Não existem políticas nacionais para reduzir doses centradas no paciente, especialmente em tomografia computadorizada. A TC é a principal fonte de radiação ionizante médica recebido pela população em geral;por isso, é muito importante que as práticas sejam aprimoradas, especialmente em crianças.

Os congressistas da JPR elogiaram muito as atividades da Sala América Latina, pela segunda vez organizada no evento. Como coordenador, como o sr. avalia os trabalhos desenvolvidos nela? Já há planos para a JPR do ano que vem?
Dr. Pablo Soffia – A Sala América Latina é muito divertida, é um atividade educacional interativa. Permite que os radiologistas não-brasileiros participem de conferências em espanhol dadas por radiologistas latino-americanos. Também é interessante para os profissionais brasileiros, pois são temas de interesse geral.
O trabalho tem sido bom e vamos repetir no próximo ano, buscando novos professores e tópicos. A sessão também será interativa.

O Congresso Chileno de Radiologia está agendado para outubro. O que os participantes podem esperar do evento? Há novidades ou sessões diferenciadas?
Dr. Pablo Soffia – Sim, haverá salas diferenciadas. Os destaques são: o Congresso Latino-Americano de Radiologia Pediátrica, no qual teremos vários professores estrangeiros, incluindo do Brasil; haverá também um curso de neurorradiologia, do qual participará o ex-presidente d SPR, Dr. Antônio Rocha.
Outros destaques serão o encontro dos residentes e um curso de proteção contra radiações focado em TC.

Por: Dr. Renato Barra / Categoria: Destaque Notícias

22 de julho de 2015

Conteúdos Relacionados

DICAS DE SAÚDE

Receba Dicas de Saúde Atualizadas