Tratamento da disfunção tireoidiana no idoso requer cautela - IMEB

Tratamento da disfunção tireoidiana no idoso requer cautela

 

Exames variam em função da idade

As principais disfunções tireoidianas que afetam o idoso são o hipotireoidismo e o hipertireoidismo, que podem estar relacionadas a outras doenças endócrinas e metabólicas, tais como o Diabetes mellitus. “Mas esse paciente merece atenção diferenciada, uma vez que o diagnóstico deve ser realizado com mais cautela, pois os valores superiores de normalidade para o TSH, o exame mais frequentemente utilizado para avaliar a função tireoidiana, podem variar em função da idade”, explica a Dra. Glaucia Mazeto, endocrinologista palestrante do 18° Encontro Brasileiro de Tireoide, que vai ocorrer entre 19 e 22 de abril, em Campos do Jordão, São Paulo, com a expectativa de reunir 1500 palestrantes.

O idoso deve receber tratamento tanto para o hipo como o hipertireoidismo. No caso da disfunção subclínica, o hipertireoidismo que se mantém ao longo do tempo deve ser tratado. Já o tratamento do hipotireoidismo subclínico costuma ser indicado quando as concentrações sanguíneas de TSH encontram-se acima de 10 mUI/L (miliunidades internacionais por litro de sangue).

“O tratamento do hipotireoidismo é realizado com levotiroxina. Já o hipertireoidismo pode ser tratado com medicamentos, radioiodo ou cirurgia, dependendo da causa da disfunção, assim como das condições clínicas e preferência do paciente”, explica a médica.

As disfunções tireoidianas são frequentes no mundo todo, com diferentes estudos tendo encontrado frequências variáveis de hipotireoidismo e hipertireoidismo, dependendo da região geográfica avaliada e de fatores relacionados ao paciente, tais como faixa etária, gênero, presença de comorbidades associadas, assim como relativos à gravidade da disfunção.

No Brasil, existem relatos de frequências de 2% a 6% e de 6,5% a 20% para os hipotireoidismos manifesto e subclínico, respectivamente. Já o hipertireoidismo é menos frequente, havendo relatos do quadro manifesto em 0,7% a 1,5% e do subclínico em 0,7% a 2,4% dos idosos.

‘Avanços na Genética dos Tumores Pediátricos e Implicações Clínicas’, ‘O Panorama do Estado Nutricional de Iodo no Brasil: onde é preciso avançar’, ‘Efeitos dos Hormônios Tireoidianos no Metabolismo Lipídico, Glicídico e no Coração’, ‘Reflexos Moleculares e Metabólicos da Ação dos Desreguladores Endócrinos’, são alguns dos temas que estarão em discussão durante o 18° Encontro Brasileiro de Tireoide, que vai ocorrer de 19 a 22 de abril, em Campos do Jordão.

FONTE:http://www.segs.com.br/saude/107250-tratamento-da-disfuncao-tireoidiana-no-idoso-requer-cautela

Leia também: Sintomas de Tireoide: descubra se está com problemas na glândula.

Por: Dr. Renato Barra / Categoria: Notícias

15 de março de 2018

Conteúdos Relacionados

DICAS DE SAÚDE

Receba Dicas de Saúde Atualizadas