Densitometria Óssea: indicações do exame e quando pode ser solicitado -

Densitometria Óssea: indicações do exame e quando pode ser solicitado

A principal recomendação da densitometria óssea é para o diagnóstico e tratamento de doenças ligadas aos ossos, como a osteoporose. Porém, o exame também pode ser solicitado para o acompanhamento de pacientes que tiveram fraturas ou que passaram por algum procedimento que pode levar à perda óssea, por exemplo.

Continue acompanhando o artigo para entender melhor sobre as indicações da densitometria óssea, quando o exame pode ser solicitado e os tipos de procedimento.

Principais Indicações da Densitometria Óssea

A densitometria óssea é um exame de imagem que serve para avaliar a densidade óssea e analisar se há perda de massa nos ossos. Por isso, a sua principal indicação é para o diagnóstico e o tratamento de patologias como osteopenia e osteoporose.

A partir dos resultados do exame, por exemplo, é possível avaliar o risco de fraturas futuras nos ossos e direcionar medidas para evitá-las.

 

Caso queira saber mais sobre essa indicação, leia também: Densitometria óssea: o exame detecta osteoporose.

 

Porém, a densitometria óssea também pode ser solicitada para outras condições específicas. Veja abaixo.

densitometria óssea indicações

Indicada para pacientes com maior risco de perda óssea

Algumas pessoas possuem mais chances de desenvolver problemas de perda óssea e por isso podem ter que realizar a densitometria óssea regularmente ou em algum momento da vida, como forma de prevenção. Tais pacientes são:

  • Idosos (mulheres acima de 65 anos e homens acima de 70 anos);
  • Mulheres na menopausa, na pós-menopausa ou na menopausa cirúrgica (quando realiza-se a cirurgia para remoção dos dois ovários);
  • Mulheres com menopausa precoce (antes dos 45 anos);
  • Pacientes que fazem uso de corticóides frequentemente, como pessoas que realizam tratamento para asma, artrite, lúpus;
  • Fumantes e etilistas (indivíduos que abusam do consumo de álcool);
  • Pessoas sedentárias, com deficiência de nutrientes (como vitamina D e cálcio) ou consumo excessivo de cafeína;
  • Pacientes com condições de saúde específicas, como hiperparatireoidismo primário e outros problemas na tireoide, doenças gastrointestinais, patologias reumáticas ou cálculo renal;
  • Pessoas com síndromes de má absorção, como Doença de Crohn;
  • Pacientes com baixo índice de massa corpórea (IMC), menor do que 19 kg/ m2.

Indicada para acompanhamento de pacientes que tiveram fraturas

O exame de densitometria óssea também costuma ser solicitado no pós-tratamento de pacientes que sofreram alguma fratura nos ossos. Nesse caso, os resultados do exame auxiliam na avaliação do sucesso do tratamento e no monitoramento da recuperação óssea do paciente.

Indicada para avaliação de procedimentos e tratamentos

Em alguns casos a densitometria óssea também é solicitada para avaliar a possibilidade da realização de alguns procedimentos e cirurgias que podem levar à perda óssea, como o transplante de órgãos, por exemplo.

Além disso, o exame também pode ser utilizado para orientar alguns tratamentos, como a suspensão ou não da terapia de reposição hormonal (TRH) em mulheres na menopausa.

 

Saiba mais em:

Densitometria óssea: vantagens do exame para a saúde da mulher

 

Indicada para avaliação do crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes

É durante a infância e a adolescência que acontecem as maiores mudanças ósseas da vida e atinge-se o pico de ganho da massa óssea, sendo uma fase crítica para o desenvolvimento e crescimento do corpo.

Nesse momento, a densitometria óssea pediátrica, como é chamada, é importante para diagnosticar possíveis problemas esqueléticos e patologias ósseas.

 

Leia também:
Densitometria óssea pós bariátrica: a importância do exame

 

Quais os Tipos de Densitometria Óssea?

De acordo com a indicação do exame, também podem ser solicitados diferentes tipos de densitometrias ósseas, sendo:

  • Densitometria de coluna lombar: é o tipo do exame mais comum para o diagnóstico e avaliação do tratamento de osteoporose;
  • Densitometria de fêmur proximal: em geral, é solicitada em casos específicos, como para avaliar a diferença entre os fêmures direito e esquerdo em pacientes com condições que podem afetar a região, como osteoartrite, doença de Paget, sequelas de AVC ou poliomielite, fraturas no fêmur;
  • Densitometria de antebraço: é o tipo de densitometria mais indicado para pacientes com hiperparatiroidismo primário, pois a doença tende a afetar principalmente a massa óssea do osso cortical;
  • Densitometria do corpo inteiro: costuma ser solicitada quando há a necessidade de avaliar de forma completa a composição corporal do paciente (massa muscular, massa gordurosa, gordura visceral e massa óssea), como para o acompanhamento do condicionamento físico de atletas. Saiba mais sobre o assunto em: Densitometria Óssea: a importância do exame para atletas e praticantes de atividades físicas.

 

Todos esses tipos de densitometrias ósseas estão disponíveis no IMEB (Imagens Médicas de Brasília), clínica referência em Diagnóstico por Imagem e Medicina Nuclear no Centro-Oeste. Para agendar a sua densitometria em uma de nossas unidades, clique aqui.

 

Deseja saber mais sobre o exame de densitometria óssea? Leia também este outro conteúdo completo e esclareça as suas dúvidas: Densitometria Óssea: o que é, para que serve, indicações e como é feito.

 

 

Por: Dr. Renato Barra / Categoria: Densitometria

8 de maio de 2020

Conteúdos Relacionados

DICAS DE SAÚDE

Receba Dicas de Saúde Atualizadas